Por que perder a barriga faz bem à saúde

  • November 11, 2019

Ao longo dos anos, seu tamanho aumentou. Esses quilos ao redor da barriga não são insignificantes: aumentam o risco de diabetes e doenças cardiovasculares,

A gordura da barriga é diferente dos quadris ou coxas. “Todos os estudos epidemiológicos realizados nos últimos quinze anos mostraram que o aumento da circunferência da cintura está correlacionado com o aumento do risco de doenças metabólicas, como diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares”, diz o professor Max Lafontan, diretor de pesquisa na Inserm.

Como funciona a gordura abdominal?

Ao contrário da gordura superficial encontrada sob a pele, essa gordura visceral profunda não é inerte. Libera na corrente sanguínea diferentes moléculas (ácidos graxos, hormônios, fatores de crescimento …) que, gradualmente, dificultam o bom funcionamento dos órgãos.

Qual é a síndrome da barriga?

Essas reações em cascata desequilibram o corpo. Pouco a pouco, todos os indicadores ficam vermelhos e formam o que é chamado de “síndrome metabólica” . Diferentes critérios definem essa síndrome:

  • circunferência excessiva da cintura,
  • um exame de sangue mostrando um nível muito alto de triglicerídeos e um aumento na glicemia em jejum,
  • pressão arterial muito alta
  • e um nível de colesterol “bom” (HDL) reduzido.

Uma pessoa com pelo menos três desses sintomas tem um risco maior de diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares (ataque cardíaco, derrame, pressão alta …), mas também câncer e doenças hepáticas.

Veja também: Se você está acima do peso, saiba que Cuperine é um suplemento emagrecedor 100% natural que ajuda na perda de peso e redução da gordura abdominal.

Por que a gordura visceral é tóxica?

Essa gordura envia mensagens que interferem no funcionamento dos órgãos. É um equilíbrio inteiro que está quebrado.

  • Ele rompe órgãos essenciais: as células adiposas do abdome armazenam ácidos graxos. “O problema é que essa gordura é drenada pelos vasos sanguíneos que alimentam o fígado”, diz a professora Karine Clément, especialista em obesidade do Instituto de Cardio metabolismo e Nutrição de Pitié-Salpêtrière (Paris). Via corrente sanguínea, os ácidos graxos atingem o fígado. Eles atrapalharão seu funcionamento, mas também, por uma reação em cadeia, a do pâncreas, músculos e coração.
  • Causa inflamação: as células do sistema imunológico se infiltram na gordura abdominal durante o ganho de peso. Em resposta, o corpo desencadeia inflamação. Esse fenômeno também tem conseqüências prejudiciais, já que moléculas tóxicas entram na corrente sanguínea e atingem o fígado. “Esses fatores inflamatórios contribuem para a resistência à insulina, que está associada ao diabetes e doenças cardiovasculares. Essa inflamação também interrompe a biologia celular, o que poderia explicar o aumento do risco de câncer, incluindo câncer de mama após a menopausa “, acrescenta Clément.
  • Ataca o sistema cardiovascular: paralelamente, o equilíbrio do colesterol é alterado: o ruim (LDL) tem precedência sobre o bom (HDL). A gordura se acumula no fígado e nos vasos sanguíneos, aumentando o risco de doenças cardiovasculares e esteatose hepática.
  • Promove a resistência à insulina: o fígado secretará mais glicose. O pâncreas responde desencadeando um pico de insulina, um hormônio para regular os níveis de açúcar no sangue. A longo prazo, o corpo não responde mais adequadamente a essa insulina. Ele se torna “resistente”. Um mecanismo que leva ao diabetes tipo 2.

Como sei se minha cintura está com gordura em excesso?

A medição da cintura é feita em pé, em pé e no umbigo. A circunferência da cintura é considerada excessiva quando excede 94 cm para um homem e 80 cm para uma mulher.

Esses números são padrões adaptados à morfologia dos europeus. Algumas pessoas têm um cordão na cintura, mas pouca gordura profunda. Para descobrir, um scanner ou uma ressonância magnética devem ser feitos! Por enquanto, mantemos a cintura, medida com uma simples costureira.

Principais cuidados depois do clareamento dental

  • June 29, 2019

Para quem não sabe, o clareamento dental é um dos procedimentos de saúde bucal mais procurados dos últimos tempos, tendo apresentado um crescimento de 30% no último ano no Brasil.

Isso não acontece à toa, afinal, que é que não quer ter um sorriso mais branco e muito mais bonito, não é mesmo?!

Além disso, com o passar dos anos, a realização do procedimento foi ficando cada vez mais acessível, o que possibilita que um número cada vez maior de pessoas faça.

No entanto, o que a maioria das pessoas não sabem é que depois de realizar o procedimento é preciso ter alguns cuidados para que os efeitos do clareamento possam ser mais duradouros.

Então, vamos saber quais são esses cuidados:

  • Alimentação

Depois de fazer o seu procedimento de clareamento com o dentista, é preciso cuidas para não ingerir alimentos que tenham uma alta taxa de acidez.

Isso porque já pode haver um aumento da sensibilidade nos dentes e as frutas cítricas podem agravar o quadro.

Além disso, alimentos coloridos também devem ser evitados, tais como beterraba, cenoura, vinho tinto, chá preto, café, chocolate e tudo mais que tiver corantes artificiais, especialmente os vermelhos ou laranjas.

Sucos ácidos e também refrigerantes, bem como alimentos pigmentados também devem ser evitados a fim de evitar aumento da sensibilidade ou manchas.

Mas estes cuidados são necessários apenas para tratamentos químicos, se você usar algum produto com clareamento mecânico como o excelente The Miracle White, estes cuidados não são necessários.

  • Higiene

Depois do procedimento é essencial seguir a recomendação do dentista a respeito dos cuidados de higiene bucal, bem como sobre os produtos que devem ser utilizados.

Mais do que isso, é importante evitar realizar a escovação dos dentes por até 30 minutos depois de comer algo ácido ou com pigmento, a fim de evitar um processo chamado de erosão dentária. Se esperar esse tempo, o pH da boca já vai ter se neutralizado naturalmente.

  • Mudanças de hábitos

Como você sabe, o dente vai amarelando com o passar do tempo por que é constantemente exposto a substâncias que causam manchas e o fazem ficar escuro.

Portanto, depois de fazer o seu clareamento dental, nada melhor do que mudar os seus hábitos, para evitar que eles voltem a ficar amarelados novamente.

Alguns hábitos que podem mudar são: consumo de bebidas alcoólicas, tabagismo, uso de batom de cor forte e outros.

Pronto agora você já sabe um pouco mais sobre os principais cuidados ao realizar um clareamento dental.

Qual a melhor cinta pós-parto?

  • March 15, 2019

Embora ainda não seja uma prática muito comum, a verdade é que muitas listas de enxoval atualmente já incluem uma cinta pós-parto. No entanto, antes de pedir ou comprar uma, é importante saber qual a melhor cinta pós-parto do mercado hoje.

O fato é que mesmo que você não encontre esse item numa lista de enxoval, certamente você ter uma amiga ou conhece alguém que já usou uma cinta pós-parto!

No entanto, a gestação é, com certeza, um período de muitos questionamentos, o que faz com que muitas mulheres se perguntem, se precisa mesmo usar a cinta ou qual a melhor cinta pós-parto.

Então, se você quer saber um pouco mais sobre qual a melhor cinta pós-parto, continue lendo e entenda um pouco melhor as opções. Vamos lá?!

Como funciona a cinta pós-parto?

A primeira coisa que precisa ser dita é que a cinta para pós-parto é recomendada comumente pelos obstetras. No entanto, ela não tem nada a ver com recomendações médicas e com colocar o “útero no lugar”, como muitos dizem por aí.

Ela também não serve para o corpo “voltar para o lugar mais rápido” ou para “a barriga desinchar mais de pressa”. Nada disso

A grande verdade é que a principal função da sinta é aumentar o conforto da mulher depois do parto.

É muito simples de entender! Imagine que a mulher passou 9 meses com um bebê na barriga, sendo que os últimos meses ela tinha uma barriga enorme.

Então, de uma hora para a outra, o barrigão simplesmente sumiu e seus órgãos internos se encontram meio “soltos”, dentro da cavidade abdominal.

Claro que aos poucos eles vão voltando aos seus devidos lugares e tudo volta a ser como era, o que não tem a ver com emagrecer, viu?! No entanto, no período logo depois do parto, é muito normal sentir um desconforto grande e o uso da conta ajuda a minimizar isso!

Isso tudo sem falar nos casos de cesariana, nos quais o uso da cinta ajuda muito a dar mais segurança para que a mulher possa se movimentar, levantar, tossir e etc.

Isso porque tanto os movimentos bruscos quanto os do dia a dia mesmo podem causar medo nas mamães que estão cheias de pontinhos na barriga. Isso é normal.

Justamente por isso que o uso da cinta pós-parto é tão benéfico e pode ser tão vantajoso.

Dito isso, vamos conhecer qual a melhor cinta pós-parto que existe atualmente.

Afinal, qual a melhor cinta pós-parto?

Como você deve imaginar, o que não faltam são opções de cintas pós-parto no mercado atualmente. o fato é que não existe uma melhor, visto que vai depender muito de como cada mulher se adapta e quais suas preferências.

Justamente por isso, o mais importante de tudo é conhecer os modelos disponíveis, para que seja possível entender as possibilidades e escolhe qual a melhor cinta pós-parto para você e suas necessidades.

Então, vamos conhecer os modelos mais comuns:

  • Cinta pós-parto sem abertura e modeladora

Esse é um modelo que começa abaixo dos seios e vai até o joelho, causando uma leve compressão. Ela é feita normalmente em microfibra e elastano e é como se fosse uma bermuda, mas com a cintura bem alta.

Esse não é um modelo muito indicado, pois, como não possui abertura, pode acabar dando bastante trabalho para colocar e tirar a cada vez que você for no banheiro, por exemplo.

Além disso, por ter pernas mais longas, pode não ficar bem com qualquer roupa que você escolher.

  • Cinta pós-parto com abertura

Algumas cintas são excelentes pois possuem abertura na vagina, para facilitar as idas ao banheiro, por exemplo, e ainda possuem abertura na barriga, o que facilita na hora de vestir e tirar a cinta.

Além disso, existem modelos “sem pernas” que ficam bem com qualquer tipo de roupa que você decida usar.

Existem também os modelos que possuem cintura alta e perninhas, mas também têm uma abertura na vagina. A escolha é toda sua!

  • Calcinhas pós-parto

Embora são sejam as mais indicadas para logo depois do parto, existem calcinhas de cós alto, com compressão moderada, que podem ser utilizadas para os meses seguintes ao parto.

O mais importante é que a calcinha tenha uma cintura alta e que a parte da gente seja mais reforçada, para ajudar na sustentação.

Por fim, vale lembra que para escolher qual a melhor cinta pós-parto, ela não deve apertar você, nem causar desconforto. Muito pelo contrário, ela serve é para deixar você mais confortável no pós-parto.

Além disso, a dica na hora e escolher é sempre comprar o tamanho que você usava antes de engravidar. Assim, ela ficará mais justa nos primeiros dias, mas depois vai se adequando.

Além disso, o mais importante de tudo é sempre optar por modelos que você seja capaz de vestir e de tirar sozinha, pois nem sempre você vai ter alguém para ajudar. Pronto, agora você já conhece as diferenças entre as opções do mercado e já pode escolher qual a melhor cinta pós-parto. Aproveite essas dicas e boa hora!

Cuidados com a cinta pós parto